HODOR – Game of Thrones S06e05

HODOR! HODOR! HODOR!

O querido Hodor, que todos nós aprendemos a amar, finalmente se revela no episódio 5 da sexta temporada de Game of Thrones.

O episódio mais heartbroken que a HBO nos trouxe até hoje, em todas as seis temporadas da série.

Mas antes de chegarmos ao final do episódio, vamos falar a respeito do que se desenrolou ao longo dele.

“A morte mais triste que Game of Thrones já nos trouxe.”

ATENÇÃO! Os próximos parágrafos contém spoilers do episódio e da temporada.

HODOR - Game of Thrones S06e05

HODOR – Game of Thrones S06e05

Em primeiro lugar, Sansa Stark vem se transformando cada vez mais em uma mulher forte, inteligente e corajosa. Ao que parece, todo o sofrimento que a personagem passou nas mãos de Ramsey Bolton fez aflorar nela o seu lado mais parecido com sua mãe. Sansa ainda nos mostrará muita força em Game of Thrones. Esperaremos e veremos!

Arya, por sua vez, vem em um ritmo mais lento de mudança. Conquistou a confiança dos homens sem face, mas ao que tudo indica, ainda não se transformou verdadeiramente em “ninguém”. Ela ainda contesta ordens, discute, repensa. A jovem indisciplinada não parece ter o perfil de um soldado do Deus de Muitas Faces. Especialmente quando presencia fatos relacionados à sua família, seu pai e o orgulho do nome dos Stark. Mais cedo ou mais tarde, Arya acabará voltando às raízes.

Nas ilhas de ferro, a situação se tornou um caldeirão borbulhante de terror. Theon mal voltou para casa e já precisou fugir de novo. Pelo menos, dessa vez, acompanhado de sua irmã Yara. Seu tio, Euron, mesmo assumindo ter matado o antigo rei para tomar seu lugar, ainda conquista o apoio popular e toma o trono dos herdeiros reais. Prometendo seduzir Daenerys e unir frotas com as dela, Euron toma o trono de ferro, porém, é abandonado pelos dois sobrinhos e todos os seus navios, em fuga. Aparentemente, os Greyjoy ficarão um pouco fora do jogo nos próximos episódios.

A parte mais interessante de toda essa história, neste episódio, é vermos, e finalmente entendermos, porque o deus deles é “O Deus Afogado” e porque “O Que está Morto Nunca Morrerá”. A posse do rei é, de fato, feita por um afogamento! Se ele conseguir retornar e sobreviver após ser afogado, então terá direito ao trono. Assustador, não?

Falando em Daenerys, a sua participação no quinto episódio é curta, porém, significativa. Ela pede que Jorah permaneça vivo e busque a cura para a doença dos ‘homens de pedra’, que o acometeu. Disso podemos tirar uma única conclusão: ou Sir Jorah encontrará a cura e isso terá papel crucial na trama, ou ele não encontrará e acabará voltando completamente petrificado para atacar Khaleesi. De um jeito ou de outro, esse pedido não parece ter sido uma boa…

Em Mereen, mais um mistério aparece. Tyrion e Lord Varys pedem ajuda aos sacerdotes do Deus da Luz para que eles usem seus sermões para falar a respeito do poder e da generosidade de Daenerys. Para que o povo saiba que ela é a responsável pelas mudanças positivas feitas na cidade. Pela segurança, e pelo fim dos atques dos Filhos de Harpia. Até aí tudo bem. O que parece bastante misterioso é a maneira como a sacerdotisa vermelha deixa Varys acoado, ao dizer para ele que quando ele era criança e foi mutilado por um feiticeiro, ele ouviu uma voz falando através do fogo. E ela pergunta, em tom de ameaça, se ele quer que ela diga o que a voz disse e quem era o dono daquela voz. Aparentemente, Varys prefere que esse segredo não seja revelado. Pois fica apavorado e mudo.

Uma voz saindo do fogo e dizendo algum segredo. O que será que devemos esperar disso?

E por fim, chegamos ao mais importante e mais triste do episódio. Bran Stark, como sempre curioso, teimoso e inconsequente, descobre que “As Crianças” são as responsáveis pela criação dos Caminhantes Brancos. Matando um homem comum com vidro de dragão, elas criaram o primeiro caminhante. Mas a criação virou contra os criadores, e contra o resto de todos os vivos.

O problema de Bran é que ele quer sempre saber mais. Mais do deve, mais do que pode. Em uma de suas viagens, ele acaba sendo descoberto pelo rei dos Caminhantes Brancos, e é tocado por ele.

Por algum motivo, que ainda não entendemos, os Caminhantes Brancos se sentem muito ameaçados por pessoas como Bran, que podem entrar na mente de outros e ver o mundo sem sair do lugar. E por isso, eles vão atrás de Bran para matá-lo.

Infelizmente, é nessa hora que descobrimos o mistério de Hodor. Bran volta no tempo, entra na mente de Hodor enquanto ele é criança, e ordena que ele o proteja segurando a porta da caverna para que os Caminhantes Brancos não os matem. Nesse momento, Willy, o Hodor, ainda criança, cai no chão gritando “Hold The Door” (segure a porta). Willys enlouquece por enxergar, ainda criança, a sua própria morte. E por isso ele passa o resto da vida repetindo a palavra “Hodor” para tudo. Hodor é, na verdade, a compressão das palavras “Hold The Door”. Ou seja, Willys só virou Hodor por culpa de Bran. Willys já sabia, desde criança, como morreria. E isso o transformou em uma pessoa perturbada e mentalmente incapaz. O mais cruel é percebermos que Hodor só existiu em Game of Thrones para servir Brandon. Se assistirmos de novo a primeira temporada, veremos que a primeira vez que Hodor apareceu no seriado, foi quando lhe ordenaram “Hodor, ajude Bran a atravessar o corredor”. Ele ajudou, enfim. Na primeira aparição e na última.

Será que agora Bran Stark aprenderá a lição? Primeiro ele se torna paralítico por conta de sua curiosidade. Depois, causa a morte de todos seus amigos e protetores, inclusive de Summer, a loba que o acompanhou a vida inteira, por causa de sua curiosidade. E por último (ou seria primeiro?), acaba com a vida de Willys e mata Hodor. Parece que está na hora de Bran entender que é preciso ter paciência e cautela, e deixar de ser tão impulsivo, não é?

R.I.P Hodor.

A morte mais triste que Game of Thrones já nos trouxe.

Até o próximo episódio, pessoal. E que ele parta menos os nossos corações.

4

Leave A Comment

Your email address will not be published.